Operação da Polícia Militar de Garuva/SC termina em mais um réu condenado pelo tráfico de entorpecentes

No último dia 23 foi prolatada pela Magistrada da Vara Única desta Comarca mais uma sentença condenatória relacionada ao árduo combate ao tráfico ilícito dê entorpecentes realizado pela Polícia Militar no Município.

Trata-se de inúmeras denúncias anônimas realizadas por meio do canal 190 da Polícia Militar da Cidade, tendo como objeto o mesmo fato, autor e localidade, onde, narrava-se o exercício e prática reiterada da narcotraficância.

Diante da diversidade e riqueza dos relatos trazidos à conhecimento da Polícia Militar, deu-se início a ocorrência resultante na condenação de um masculino maior de idade, Evandro Anselmo da Cruz Sartório, e apreensão de mais dois menores de idade, L.C.M e A.M.V.

Na oportunidade, aproximadamente às 11h30min, do dia 05/05/2017 a guarnição composta pelo Sargento Polsin e Soldado David deslocaram-se para acompanhamento das denúncias e levantamentos de informações relativas ao fato denunciado.

Em poucos tempo de monitoramento a guarnição percebeu o exercício da traficância no local, configurada pela elevada movimentação de usuários conhecidos na Cidade, bem como a comprovação da comercialização de entorpecentes após a realização de abordagem, em separado, de um usuário que acabara de deixar o local.

Diante da comprovação do delito os policiais militares adentraram a residência, logrando êxito na apreensão de drogas. No local, de pronto, foram abordados os dois menores de idade, sendo que o condenado, Evandro, ao avistar a abordagem empreendeu fuga.

Dentro da residência foi encontrado 96 (noventa e seis) pedras de substâncias popularmente conhecidas como “crack”, 01 (um) torrão de substância análoga à maconha com massa bruta de aproximadamente 51 (cinquenta e uma) gramas, além de 03 (três) micropontos da droga sintética LSD. Ademais, também foi apreendida uma balança de precisão, dinheiro fracionado e em espécie, bem como dois aparelhos celulares e munições de arma de fogo.

Frisa-se que as drogas apreendidas são de ação psicotrópicas, capazes de causar dependência física e psíquica, proibidas em todo território nacional, de acordo com a Portaria n. 344/1998 da Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde (atualizada pela Resolução da Diretoria de Colegiada – RDC n. 07, de fevereiro de 2009.

O condenado associou-se aos dois menores de idade para a prática da traficância neste Município de modo que, conforme comprovado nos autos do processo, era ele (Evandro) quem exercia posição de destaque e gerenciava as atividades, enquanto os menores efetuavam a venda da droga e vigilância do local.

O réu, ainda em fase Judicial negou as acusações, delineando-se apenas usuário de drogas, tese infundada e vencida pela instrução criminal, onde, por ocasião das provas produzidas nos autos do processo confirmou-se a denúncia, resultando na condenação do réu em 13 (treze) anos e 6 (seis) meses de reclusão, pelo cometimento dos crimes previstos nos artigos 33 e 35 da lei antitóxicos, artigo 14 da Lei 10.826/03 e artigo 329 do Código Penal.

Ressalta-se, por oportuno, que os envolvidos eram faccionados (PGC – primeiro grupo catarinense) e exerciam lugar de destaque neste Município.

Por fim, destaca-se também o brilhante trabalho que vem exercendo o corpo do Poder Judiciário desta Comarca, tratando sempre com a devida rigidez os crimes com maior grau de reprovabilidade assim como é o caso do tráfico de drogas, aplicando-se sempre penas significativas aos delinquentes, visando a comodidade social de todos.

Comentários do Facebook
SHARE